Caracterização sociodemográfica de docentes da área da saúde

Sarah Martins Souza, Lyssa Esteves Souza Souto, Cássio de Almeida Lima, Mayara Karoline Silva Lacerda, Maria Aparecida Vieira, Fernanda Marques da Costa

Resumo

A docência é uma carreira ascendente, de acordo com o grau de titulação que lhe é exigido: ensinar e disseminar conhecimento. Objetivou-se identificar o perfil dos docentes da área da saúde de uma Universidade Pública de Minas Gerais, Brasil. Trata-se de um estudo exploratório, descritivo, de abordagem quantitativa. Aplicou-se um questionário sociodemográfico no período de junho a setembro de 2013. Os docentes são, em sua maioria, do sexo feminino; faixa etária até os 43 anos; casados, da raça branca; moram com a família; possuem outro vínculo empregatício; tempo de atuação na docência entre 11 a 15 anos; 47,5% dos docentes possuem formação stricto sensu; renda bruta mensal de até 11 salários mínimos e não são fumantes. Espera-se que esta investigação possa contribuir na atenção à saúde, no processo de trabalho e na construção do conhecimento, a partir das necessidades reais dos profissionais docentes, no âmbito das universidades.

Palavras-chave

Docentes; Educação Superior; Saúde

Texto completo:

Texto Completo

Referências

Koifman, L. A função da universidade e a formação médica. Rev Bras Educ Med. 2011;35(2): 145-6.

Araújo JCSA. Universidade Iluminista (1929-2009). De Alfred Whitehead a Bologna. Brasília: LiberLivro, 2011.

Cardoso GMP, Figueredo WN. Universidade e sociedade: o papel do professor na (re) construção do conhecimento. Rev Intersaberes. 2013;15(8):36-49.

Garcia AL, Oliveira ERA, Barros EB. Qualidade de vida de professores do ensino superior na área da saúde: discurso e prática cotidiana. Cogitare Enferm. 2008;13(1):18-24.

Oliveira CC, Vasconcellos MMM. A formação pedagógica institucional para a docência na Educação Superior. Interface Comunic Saúde Educ. 2011; 15(39):1011-24.

Amaral AL. Significados e contradições nos processos de formação de professores. Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

Ferreira EM, Fernandes MFP, Prado C, Baptista PCP, Freitas GF, Bonini BB. Prazer e sofrimento no processo de trabalho do enfermeiro docente. Rev Esc Enferm USP. 2009,43(2): 1292-6.

Dávila MHX, Casagrande RJT, Pereira VCG. Qualidade de vida do trabalhador de uma instituição de ensino. Cad Esc Saúde. 2010,4(1):110-126.

Fernandes MH, Rocha VM, Fagundes AAR. Impacto da sintomatologia osteomuscular na qualidade de vida de professores. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(2):276-84.

Damásio BF, Melo RLP, Silva JP. Sentido de Vida, Bem-Estar Psicológico e Qualidade de Vida em Professores Escolares. Rev Paidéia. 2013;54(23):82-73.

Santos MN, Marques AC. Condições de saúde, estilo de vida e características de trabalho de professores de uma cidade do sul do Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(3):837-46.

Christophoro R, Waidman M. Estresse e condições de trabalho: um estudo com docentes do Curso de Enfermagem da UEM, Estado do Paraná. Acta Scientiarum. 2002;24(3):757-63.

Filho AO, Netto-Oliveira ER, Oliveira AAB. Qualidade de vida e fatores de risco de professores universitários. Rev Educ Fís/UEM. 2012;23(1):57-67.

Miguel MEGB. Resiliência e qualidade de vida dos docentes de enfermagem [Tese de doutorado]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo; 2012.

Cardoso EAM. Qualidade de vida de mulheres docentes de uma universidade particular do Vale do Paraíba [dissertação de mestrado em Enfermagem]. Centro de Pós-Graduação e pesquisa: Universidade de Guarulhos, 2012.

Corrêa GT, Ribeiro VMB. A formação pedagógica no ensino superior e o papel da pós-graduação stricto sensu. Educ e Pesqui. 2013;39(2): 319-34.

Tardif M. Saberes Docentes e Formação Profissional. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

Koetz L, Rompel C, Périco E. Qualidade de vida de professores de Instituições de Ensino Superior Comunitárias do Rio Grande do Sul. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(4):1019-28.

Pagnez KSMM. A identidade profissional docente: um olhar interdisciplinar. In: BASSIT, Ana Zahira (org). O interdisciplinar: olhares contemporâneos. São Paulo: Factash Editora, 2010.

Gasparini SM, Barreto SM, Assunção AA. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educ Pesq. 2005;31(2):180-99.

Antunes DPA, Rosa ES, Gallas CDM, Reppold CT, Teixeira PJZ, Silva LCC. Prevalência do tabagismo em uma Universidade da Saúde em Porto Alegre, Brasil. Revista da AMRIGS. 2012; 56(4):300-3.

Echer IC, Corrêa APA, Ferreira SAL, Lucena AF. Tabagismo em uma escola de enfermagem do sul do Brasil. Texto Contexto Enferm. 2011;20(1):159-152.

Alonso KM. Tecnologias da informação e comunicação e formação de professores: sobre rede e escolas. Educação Social. 2008;104(29):747-68.

Lima MFEM, Filho DOL. Condições de trabalho e saúde do (a) professor (a) universitário (a). Ciênc Cogn. 2009;14(3):62-82.

Ceballos AGC, Carvalho FM, Araújo TM, Reis EJFB. Auditory vocal analysis and factors associated with voice disorders among teachers Rev Bras Epidemiol. 2011;14(2):95-285.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.