ANÁLISE SOCIOECONÔMICA DAS CAUSAS DE ABANDONO DO TRATAMENTO PARA TUBERCULOSE

AMANDA MENDONÇA LEÃO, JOICE CHIARELE PEREIRA, HELOISA SILVA GUERRA, Hanstter Hallison Alves Rezende, CAMILA BORGES RUFINO, JULIANA BOAVENTURA AVELAR

Resumo

Este estudo teve como objetivo analisar as causas do abandono de tratamento em pacientes em retratamento para tuberculose no município de Aparecida de Goiânia, Goiás. Trata-se de uma pesquisa descritiva e transversal realizada com 29 pacientes em acompanhamento no Centro de Atenção Integral a Saúde Nova Era em Aparecida de Goiânia, Goiás. Os participantes da pesquisa foram os pacientes que por algum motivo abandonaram e retornaram ao tratamento para Tuberculose no ano de 2015. As entrevistas demonstraram que o abandono permanece sendo um impasse no controle da doença. Os resultados demonstraram alta incidência de Tuberculose em pessoas de baixas renda e escolaridade, isto implica que a doença permaneça relacionada às más condições de vida e pouca informação. Assim como o comprometimento imunológico de certos grupos implica na recidiva da doença. Este estudo tem grande validade para a população, profissionais e gestores, pois permitiu o reconhecimento dos fatores relacionados ao abandono do tratamento.

Palavras-chave

Fatores de Risco; Retratamento; Tuberculose, Saúde Pública.

Texto completo:

Visualizar PDF

Referências

Brasil. Ministério da saúde. Vigilância em Saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e Tuberculose. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica; 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual técnico para o controle da tuberculose. Departamento de Atenção Básica. Cadernos da Atenção Básica; 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília: Departamento de Vigilância Epidemiológica; 2011.

World Health Organization. Global tuberculosis report 2014 [Homepage na Internet]. Geneva: World Health Organization; 2014 [Acesso em 30 abr. 2015]. Disponível em: http://www.who.int/tb/%20publications/global_report/en/

PORTAL DA SAÚDE. Tuberculose. [Acesso em: 30 abr. 2015]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=11045&Itemid=674

Piller RVB. Epidemiologia da Tuberculose. Pulmão. 2012; 1(21): 4-9.

Wendling APB, Modena CM, Schall VT. O abandono do tratamento da turberculose sob a perspectiva dos gerentes de diferentes centros de saúde de Belo Horizonte-MG, Brasil. Texto & contexto enferm. 2012; 1(21): 77-85.

Chirinos NEC, Meirelles BHS. Fatores associados ao abandono do tratamento da tuberculose: uma revisão integrativa. Texto & contexto enferm. 2011; 3(20): 599-406.

Alves, RS, Souza KMJ, Oliveira AAV, Palha PF, Nogueira JA, Sá LD. Abandono do tratamento da tuberculose e integralidade da atenção na Estratégia Saúde da Família. Texto & contexto enferm. 2012; 3(21): 650-657.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n.º 466 de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentares da pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Souza ABF, Cruz ZV. Abandono do tratamento da tuberculose no município de Itapetinga – BA: um estudo da influência dos fatores ambientais. Centro Científico Conhecer. 2012; 14(8): 1472.

Portella LC. Fatores associados ao abandono de tratamento da tuberculose: uma revisão integrativa da literatura. Rev Univap. 2015; 38(21).

Brasil. Ministério da Saúde. Manual sobre o cuidado à saúde junto à população em situação de rua. Departamento de Atenção Básica; 2012.

Costa APM. População em situação de rua: contextualização e caracterização. RevVir Textos & Contexto. 2005.

Oliveira JF; Antunes MBC. Abandono anunciado ao tratamento da tuberculose em uma Unidade de Saúde da Família do Recife: a perspectiva do usuário. Rev. APS. 2012; 1(15): 4-13.

Andrade RLP, Villa TCS, Pillon NS. A influência do alcoolismo no prognóstico e tratamento da tuberculose. SMAD, Rev. eletrônica saúde mental alcool drog. 2005; 1(1).

Apontamentos

  • Não há apontamentos.